O Sofrimento Interdepende

Abaixo dois textos - um pessoal e outro retirado de um trecho da revista Vida Simples - onde podemos observar como o sofrimento tem relação com a falta de redes de apoio, de recursos sociais e amparo afetivo. Inclusive este tema é o estudo focado da Psicologia sócio-histórica com base na abordagem do psicólogo Lev Vygotsky (1896-1934), que acreditava na constituição do comportamento biológico humano em relação ao meio no qual estamos inseridos.



O Sofrimento e o Gutemberg


(Esse texto pode ser ouvido também no podcast Sentidos) Às vezes eu penso que o sofrimento, ainda é igual àquela minha primeira semana no Gutemberg. O pré já foi um desafio, mas nada comparável a Johannes Gutemberg – que era o nome da escola onde fui cursar a primeira série. Acho que fiquei semanas imaginando o quão terrível seria ir para aquela escola. Romper as horas que eu passava com minha mãe, ou brincando em casa ou na rua com as amigas.

Aquela escola era o pesadelo, era longe, paredes e escadas de concreto cinza. Janelas estilhaçadas, muros pichados. O cheiro esquisito e entorpecente que vinha da cozinha até hoje não saiu do meu nariz. Me lembro de olhar com nostalgia pelos buracos da janela, sonhando em voltar para casa, com saudades de tudo, enquanto a professora tava lá explicando as letrinhas. Até que não demorou muito e eu dei uma leve surtada... Com muito choro... me recusei a ficar naquela escola. Daí, veio a professora me acalmar e ela teve um plano... me colocar como primeira da fila e me deu a tarefa de recolher todos as cadernetas para serem carimbadas com presença – todo dia então eu teria essa responsabilidade. E assim foi... que me dando algum sentido para ir para escola, que arduamente consegui terminar aquele ano até finalmente sair de lá. Da segunda à oitava série, foi quase o paraíso, tinha amigos, a escola era mais perto, bem arrumada e com jardim – foi uma obra do Maluf na época. No segundo grau, fiz técnico numa escola bem disputada. Foi complicado de novo romper vínculos, muitos não davam conta e saiam. Mas na sala cada um tinha vindo de uma escola, poucos se conheciam, e nisso nós fomos formando bons vínculos nesse primeiro ano. Mas eu suava frio em toda aula de matemática. Já no segundo e terceiro ano, nos dividiram, e pouco podíamos conversar porque viramos salas concorrentes, dentro dos trabalhos que seriam desenvolvidos. Foi outro ano bem difícil, além de estudar de noite, a maioria trabalhava e chegava esgotada na escola. Era todo mundo bem independente e tinha uma frieza coletiva. Meus maiores vínculos afetivos tinham virado ocupados e concorrentes! Me deprimi horrores nesse ano.

É assim o sofrimento. Porque somos seres interdependentes, seres de vínculos. Tudo ao nosso redor nos faz. Paredes, texturas, cores, cheiros, imagens, vibrações, sons, pessoas, tudo ao redor. Desastres, guerras, separações, perdas, mortes, pandemias, preconceitos, discriminações, desmatamentos, poluição. Tudo que nos divide, causa medo, sofrimento e dor. E nesse sentido podemos minimizar sofrimentos, o quanto mais soubermos sobre interdependência. Podemos ser mais conscientes em fazer escolhas, e em tornar o mundo um lugar mais bonito, limpo, unido, acolhedor e pacífico. Tarefa nossa a de cultivar jardins tanto externos quanto internos.


_____________ Vaca Antidepressiva:



(...) Médicos cambojanos, por exemplo, tem uma definição muito diferente do que é um antidepressivo. Quando um agricultor de arroz perdeu a perna por ter pisado em uma mina terrestre, ele entrou em depressão, apesar de ter recebido uma prótese que permitia sua locomoção, o agricultor sentia muita dor e chorava o dia todo. Não conseguia mais fazer seu trabalho e mal saia da cama. Se morasse no Brasil ou nos Estados Unidos seria levado a um psiquiatra e sairia com uma receita de antidepressivos. No Camboja, no entanto, o "remédio" foi diferente. Depois de conversar com o paciente e com sua comunidade, os médicos decidiram comprar uma vaca para o homem acidentado. A lógica era de que ele não precisaria enfrentar o trauma dos campos de arroz, onde perdera uma perna, e poderia se dedicar a outra atividade. Em duas semanas, os sintomas da depressão desapareceram e ele seguiu com sua vida. A vaca era o antidepressivo.

(...)

O antidepressivo ideal não é uma pílula que se toma no café da manhã. É a força de uma comunidade que faz questão de abraçar aqueles que se veem numa situação difícil.


Diogo Antonio Rodrigues - para a revista Vida Simples nr 216 (trecho de Saiba lidar com a Ansiedade)

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo