Quem semeia vento, colhe tempestade?*


Provérbios e Propósitos...


(*esse provérbio bíblico diz respeito a colher o que se planta, no sentido mais negativo.)


Vou pensar na reflexão desse provérbio de forma mais pessoal.

Sobre o que a gente empreende nossa energia, nosso tempo, nossa atenção? Não necessariamente num sentido negativo (como se houvesse algo que fosse decididamente negativo!), mas divergente ao que desejamos colher. Claro, não dá para calcular tão exatamente essa equação e ter certezas sobre o que vai acontecer no minuto seguinte. Mas sempre é funcional parar de tempos em tempos e observar o que anda sendo semeado, o que parece que iremos colher ou deixar de colher, isto é, de como estamos empreendendo nosso tempo, nossos talentos, nosso dinheiro, nosso corpo, nossos pensamentos, nossa energia enfim...


Afinal, você pode se deparar com abacaxis enquanto esperava colher uvas!


Parar para refletir seria o natural, se vivêssemos de forma mais contemplativa, porque os insights se ofereceriam com mais facilidade. Ou, se estamos em processo terapêutico, é o apoio da visão do terapeuta que lhe serve também nessa importante posição do observador. E sobre observar esses propósitos é um encontro também entre o que a vida nos sonha!


A ajuda terapêutica, em geral, nos economiza tempo, para ir clareando sobre a ideia de propósitos, já que muitas vezes nossos sonhos não são nossos, ou estamos perdendo tempo perseguindo propósitos apenas do ego ou ideológicos/culturais que não somam, mas que estão restritos a visões limitadas.


Propósito é um rumo consciente, para uma ação se concretizar. É o propósito como objetivo que pode mudar sua lista de compras no mercado, ou te impulsionar a fazer x coisa, ainda que frente a sabotagens inconscientes. Algo que nos motive externamente ajuda na geração da energia de um propósito. E podemos usar também outros recursos que "motivem" internamente a energia como música, aromaterapia, imagens, meditação, etc, inclusive para gerar energia mais "autônoma", do contrário quando falta motivação externa, caímos! Um equilíbrio entre energia externa e interna, no caso, é um bom caminho.


E há o propósito essencial... que é simplesmente o propósito da vida, viver! O filme Soul (Disney- Pixar), mostra exatamente isso. Se ainda não assistiu, fica a dica, para ver e refletir.

Fato é que complicamos tanto a vida, que perseguimos objetivos para sermos felizes, mas que no fim são simples e naturais e podem já ser acessíveis. Sempre me lembro de uma tirinha de um personagem numa rede e aparece aquele balãozinho do pensamento, imaginando o que ele faria se ganhasse na loteria, e ele estaria simplesmente fazendo a mesma coisa, descansando na rede!

E pra isso, a gente precisa de uma série de questionamentos sobre os lados para que estamos sendo levados, o que escolhemos ou andam ditando e escolhendo por nós!


E também lembrei aqui de uma série do canal do Lufe chamada Espiral de Mudanças no YT (há também o livro). Ao longo do que ele vai contando da sua trajetória (bem bacana!), ele constantemente tem que voltar ao propósito do que ele havia traçado sobre outros caminhos que vão aparecendo. E é assim, né... a criatividade da vida vai trazendo outras opções de sementes pra gente continuar avaliando, sustentando (ou não!) propósitos.


Caminhar para o ser autêntico, reconhecer o outro, sair das mentalidades de massa, manter a atenção apreciativa, são possibildades de que não apenas os propósitos sejam planejados, mas que eles nos encontrem também!




13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo